Arquivo da tag: Tradição

14º Arraial AfroJulino da Comunidade Jongo Dito Ribeiro

19511443_1529481153770944_7241755396807095474_n

O Arraial Afro-Julino da Comunidade Jongo Dito Ribeiro é a maior festa organizada pela sociedade civil em Campinas e região, com a participação de cerca de 5000 pessoas. É uma festa julina de culturas afro-brasileiras, anual, com duração de 18h, que ocorre sempre no segundo sábado do mês de Julho. Em 2017 será no dia 08 de Julho, começando sábado, ao meio-dia (12h), na Casa de Cultura Fazenda Roseira, que também abriga o primeiro Centro de Referência Jongueiros do Sudeste – Comunidade Jongo Dito Ribeiro, do estado de São Paulo.

O nosso 14º Arraial Afro Julino é Patrimônio Cultural Imaterial de Campinas, é evento do calendário oficial turístico do Estado de São Paulo, é evento oficial no calendário da nossa cidade e abre as comemorações de aniversário da nossa amada Campinas-SP. Por fim, são 14 anos de trabalho e salvaguarda da nossa cultura ancestral, o jongo. Se programem… este será o último ano no formato da 12h as 06h da manhã.

A festa inicia tradicionalmente com o terço a São Benedito e depois segue com apresentações culturais e artísticas de grupos parceiros de diversas localidades do estado de São Paulo, entre outros estados, do segmento afro. Tem jongo, samba, maracatu, bateria, rap e outras manifestações culturais afro-brasileiras, além da disposição de barracas de comidas típicas da culinária afro, pratos juninos, vestuários e artesanato.

A Festa acontece na sede da comunidade a Casa de Cultura Fazenda Roseira, sede da comunidade jongueira instalada em uma antiga fazenda, na periferia de Campinas/SP. A entrada é 2kg de alimento não-perecível ou o valor de R$ 10,00 reais. Os alimentos serão doados para o banco de alimentos da prefeitura municipal de Campinas.

Toda a elaboração, desenvolvimento, divulgação e organização do Arraial é realizada pela própria

Comunidade, unindo gerações, amigos, parceiros e familiares no maior evento realizado pela Comunidade Jongo Dito Ribeiro

Terço

O terço é uma das formas com que agradecemos a São Benedito por sua proteção a Comunidade Jongo Dito Ribeiro, esse ano sera feito pela Pastoral Afro da Arquidiocese de Campinas

TERÇO A SAO BENEDITO

Afoxé Ibaô Inã ati Omi

Em síntese o IBAÔ se propõe a criar, unir e multiplicar as ações em rede, por meio de parcerias com outras comunidades, grupos, instituições que compartilham da diversidade cultural, colaborando com o desenvolvimento pessoal e coletivo, por meio de propostas e iniciativas de salvaguarda e memória dos ofícios, costumes, tradições e saberes da nossa cultura, em especial, a preservação da memória de Mestre Tedi.

IBAO

Capoeira Semente do Jogo de Angola

O Grupo de Capoeira Semente do Jogo de Angola é uma entidade civil sem fins lucrativos, de caracter social, cultural, beneficente assistencial, fundado por Jorge Egídio dos Santos – “Mestre Jogo de Dentro”- em 09 de Setembro de 1990, no Teatro Miguel Santana – Pelourinho – Salvador-Bahia. Em Campinas é liderado pelo contramestre Danny

Resistencia do Gueto

Resistência du Gueto é um grupo de rap da cidade de São Paulo Brasil formado na cidade de Campinas interior paulista em 2001 por Ngo e Gino eterno hoje já em um plano melhor em sua primeira formação Resistência du Gueto desenvolvia seu trabalho com a banda da casa de cultura Tainã e a orquestra de tambores de aço (Steel​-druns ) instrumento de origem caribenha de Trinidad Tobago ganhou em primeiro lugar no primeiro festival de Rap do Maria Maria em 2006 concorrendo com 26 grupos de rap hoje a nova formação do grupo é Ngo ,MT Beck,Nelson Fumaça,GM,e Dinho em memoria aos MCS que fizeram parte do grupo Higino M da Silva e Henrique que hoje estão num melhor lugar ASÈ .

Resistencia du Gueto

Grupo Urucungos Puítas e Quijengues

Com a liderança de Alceu Estevam e Rosa Líria Pires Sales, o Urucungos foi fundado em 1988 na Universidade Estadual de Campinas-SP (UNICAMP), através de um curso de extensão, ministrada pela Profa de cultura popular Raquel Trindade que o batizou de Urucungos (Berimbau), Puítas (Cuíca) e Quijêngues (Tambor), instrumentos musicais africanos proveniente de Angola e muito difundido no Brasil. O grupo tem como missão principal resgatar, preservar e divulgar a cultura popular brasileira de acordo como elas são manifestadas nas suas origens e apresentada ao público em forma de arte, apresentam danças circulares afro brasileiras como o Coco de  Alagoas, Samba Lenço, Samba de Bumbo, Samba de Roda. A marca  principal do Urucungos é fazer com que o público participe das suas  performances, criando um ambiente de integração coletiva, onde a música, a  dança e as cantorias  mistura-se com as energias das pessoas,  formando neste momento a verdadeira manifestação popular, que é aparticipação do público.

URUCUNGUS

Bateria Alcalina

O Instituto de Artes da UNICAMP é o berço da Bateria Alcalina: em 2003, estudantes da universidade e percussionistas de São Paulo e Campinas formaram esta bateria universitária, que logo se destacou por sua proposta e características singulares. Além do samba, interpreta diversos ritmos afro-brasileiros adaptados para a formação de bateria de escola de samba.

Bateria Alcalina

 

Quadrilha Teatralizada do Grupo de Teatro Fora dos Trilhos – Rede Usina Geradora

O Grupo Fora dos Trilhos vem trazer com humor a  quadrilha das festas juninas e julinas tradicionais da cultura brasileira.

quadrilha homensquadrilha mulher

 

 

Aureluce

Aureluce Santos nasceu em Campinas e ensaiou suas primeiras notas no Coral Maria Neves Baltazar até se revelar ao interpretar vários sambistas. Atualmente é reconhecida como “a Dama do Samba de Campinas”, atraindo plateias de todas as idades.

aureluce

Ilu Obá de Mim

Bloco Afro Ilú Obá De Min (composto atualmente por 90 mulheres ritmistas oriundas das oficinas e o Corpo de Dança Ilú Obá De Min para a realização de um cortejo na sexta feira de carnaval pelas ruas do centro da cidade. A repercussão do projeto desenvolvido a 6 anos na metrópole atraiu para o carnaval de 2010 público em torno de 8.000 pessoas, algumas vindas de outros municípios e estados especialmente para esta manifestação.Os cortejos de blocos nas cidades de São Paulo, ainda longe da tradicionalidade que possuem em outras capitais como o Rio de Janeiro, Recife e Bahia, aos poucos vem atraindo um número maior de adeptos deste tipo de diversão. O Ilú Obá com sua proposta inovadora e única na metrópole de São Paulo tornou-se referência étnico-cultural e educativa, tendo sido premiado pelo Prêmio Culturas Populares Mestre Humberto Maracanã 2008 – SID/MINC ao lado de grandes iniciativas culturais brasileiras.

ilu oba de min

Forró Mandaçaia

Formado por músicos que já possuem vivência desde sempre na cultura da música nordestina, o Forró Mandaçaia chega no mês junino pra celebrar e pedir a benção dos Santos cultuados em fogueiras, promessas, simpatias, buscando tudo que há de bom, de festa, de reza, de trabalho! Viva Santo Antônio! Viva São João! Viva São Pedro! Viva S’Antana! E todos os outros santos que gostam de festa! Na Sanfona e voz: Rafa Virgolino; Zambumba e voz: Dani Virgolino; Triângulo e Voz: Fran Nóbrega e voz principal: Andréia Preta. Música de Rosil Cavalcante e Jackson do Pandeiro.

forro mandaçaia

Forró Quixaba

Na paulicéia da garoa o samba e o choro foram as sementes principais do nosso encontro. O Quintal da Tia Ivani na Lapa foi o terreno certo, berço de um começo que hoje nos abre caminhos para levarmos (com licença do Velho Lua e do povo nordestino), a alegria e a pisada do baião, xote, forró e rojão a novos lugares e pessoas. Seu Luiz Gonzaga, Dominguinhos, João do Vale, Dona Marinês, Camarão, Hermeto Pascoal, Sivuca, Cátia de França e Alceu Valença são alguns dos mestres e mestras que guiam nosso trabalho. O fole de Tauã Ribeiro, e a flauta de Thais Ribeiro já de casa se conheciam. Os dois irmãos juntam-se ao pandeiro e triângulo de Ribeka Suzuki e à zabumba de Gabriel da Conceição em 2016. Um ano depois firmam o encontro, nasce assim o “Forró Quixaba” – Árvore nordestina, sertaneja medicina, salva o gado castigado da seca impiedosa, tem flor cheirosa, espinho duro e dá também um doce fruto, foi do chá do pau na cana que se batizou o grupo.

forró quixaba

Jongo do Tamandaré

O Jongo da saudosa tia Mazé,com existência no bairro do Tamandaré em Guaratinguetá há mais de 100 anos e que há cerca de 11 anos apadrinhou a Comunidade Jongo Dito Ribeiro e nos ensinou a pisar na tradição e reconhecer nossas origens.

Jongo Tamandaré

Porão com os Djs

O DJ Lucas Barata é natural de Salvador, Bahia. Sediado em São Paulo desde 2001 realiza atividades como DJ, Produtor Cultural, Pesquisador Musical e Livre-Radialista. Como DJ, se interessa mais particularmente pelos ambientes que a música pode ajudar a criar do que pelos processos de audição propriamente ditos, e defende a discotecagem como um motor de dinâmicas sociais, estéticas e festivas, como uma ferramenta de construção de espaços e relações.

Também contaremos com a presença dos DJs : DJ Chakal, DJ Taynara, DJ JP e DJ Mariana Boaventura que vão fazer o arraial dançar ao som de muita musica black.

Comunidade Jongo Dito Ribeiro

A Comunidade Jongo Dito Ribeiro é formada por um grupo que reconstitui a manifestação do jongo em Campinas/SP por meio da memória de familiares de Benedito Ribeiro e outras pessoas que se encontraram e se reconheceram como jongueiras. Hoje a Comunidade é reconhecida como Patrimonio Imaterial da cidade de Campinas. Este ano contaremos com a presença do Jongo Tiduca de Cananéia em nossa roda de jongo.

comunidade-jongo-dito-ribeiro

Local: Casa de Cultura Fazenda Roseira –

Rua Domingos Haddad, n° 01 em frente ao Hospital da PUCC II, dentro do Residencial Parque da Fazenda – rua s/ saída.

 

Memória do Samba pra São Jorge do Domingo 23 de Abril

‘’ Vou acender velas para São Jorge

A ele eu quero agradecer

E vou plantar comigo-ninguém-pode

Para que o mal não possa então vencer ‘’

Domingo 23 foi dia de Jorge na Casa de Cultura Fazenda Roseira.

Pelo 4° ano consecutivo nossas Guerreiras e Guerreiros dessa casa de cultura, abrem suas portas para receber seus amigos e parceiros numa tarde de muito samba, risos e alegria em homenagem a este Santo muito cultuado no Brasil, principalmente na região Sudeste e sincretizado com o Orixá Ogum, que é responsável pela abertura dos caminhos.

Mais de 300 pessoas se reuniram no quadrado, famoso quintal da Roseira. Embalados com o maravilhoso compasso do grupo Lado a Lado, jovens sambistas da cidade de Campinas, com os tambores e dança do Lundu, ritmo contagiante do Candombi, e recheado com uma roda de Jongo dos anfitriões da Casa, tiveram um dia inesquecível, sendo coroados com uns dos idealizadores do projeto, os sempre parceiros e amigos, do Casa Caiada.

O samba pra São Jorge tem com objetivo principal, demarcar na cidade de Campinas a importância da Cultura Afro Brasileira e sua musicalidade, como sua respeitável influencia do sincretismo. Sambar para São Jorge, mais do que homenagear e sambar para um Santo, é evidenciar a cultura negra do nosso país.

23 de Abril é dia de Jorge na Casa de Cultura Fazenda Roseira, e quem perdeu fique ligado que ano que vem tem mais!

‘’Lá laia laia laialá, vamos saudar São Jorge Cavaleiro’’

Veja mais fotos em: https://www.facebook.com/pg/fazendaroseira/photos/?tab=album&album_id=1548552998502247

Texto: Bianca Ribeiro e Alessandra Ribeiro

Contribuição das Mulheres e a Feijoada das Marias do Jongo

Pelo 13° Ano consecutivo a Comunidade Jongo Dito Ribeiro comemora o aniversario das Marias do Jongo, tal festividade que tem como objetivo fundamental, evidenciar a contribuição dessas Mulheres, Negras e Filhas de Dito Ribeiro, para a Salvaguarda do Jongo através dos seus saberes culinários de ensinamentos e lições de vida. Por meio delas, realçar e homenagear todas as outras mulheres que contribuem não só para a Salvaguarda do Jongo quanto para toda sociedade em geral.

O que seria do mundo sem as Mulheres?


Mulheres como Edna Lourenço e Zeila, que anualmente passam a noite preparando a deliciosa feijoada que é servida durante o evento. Mulheres como as meninas do jongo que ajudam em toda produção e organização do evento, como também no apoio do preparo destes alimentos. Mulheres amigas e parceiras que nos auxiliam na venda dos convites, já que a feijoada consiste num evento beneficiente que anualmente acolhe 400 pessoas gratuitamente em tal festividade. Mulheres fotografas e do áudio visual, que registram todos os processos, para que possamos sempre ter essa memoria. Mulheres, Mulheres, Mulheres… que inclusive, deram a vida a todos os homens, nossos parceiros e que fazem parte da nossa trajetória, historia e processo permanente pela busca de direitos e igualdade de gênero, como DJ Barata, que abrilhantou nossa festa com sua nostalgia e sons da antiguidade, Mulheres como Dona Ivani, que cedeu seu quintal na Lapa/SP para que jovens se reunissem e dessem origem ao Samba da Ivani que sacudiu o público cheio de energia boa e sorrisos para compartilhar, Mulheres como as mães do Grupo da Serrinha que colocou a juventude para pagodear e do SaciCriolo que finalizou a Feijoada das Marias do Jongo, com chave de Ouro.

Viva as Mulheres! Viva a 13° Feijoada das Marias do Jongo! Com seus símbolos, seus tambores e sua importante ação de resistência pela permanência das tradições culturais negras.

Fotos: Neander Heringer

Por Bianca Ribeiro e Alessandra Ribeiro

4º Carnaroseira

O Carnaroseira desse ano foi no dia 28/01 abrindo os festejos de carnaval da cidade de Campinas, esse evento é produzido e idealizado pela nossas queridas mais velhas jongueiras, em sua 4ª edição o Carnaroseira tem a intenção de reviver os antigos bailes de carnaval com fantasias e marchinhas saudosas.

É um evento bienal a preço popular (ajuda de custo para manutenção da limpeza da casa ) então quem perdeu esse agora só em 2019!

Nossas mais velhas Dona Maria do Jongo e Tia Verinha

Outra característica do Carnaroseira é que acontece de dia, ou seja, uma bela matinê para nossas crianças, e elas aproveitaram muito essa folia.

Nossa programação estava de primeira começamos como grupo Casa Caiada trazendo o melhor do Samba, sempre em parceria os meninos entraram no nosso carnaval.

Depois a família Urucungus Puíta e Quijengues marcaram sua presença com o tradicional Samba de Bumbo.

E la das terrras de Barão Geraldo vem O Berra Vaca com suas marchinhas, Inacio Berra Vaca e sua banda carnavalesca animaram nosso quintal e a vaca berrou muito nesse dia.

O nosso tradicional Desfile de Fantasias foi um sucesso , tinha de tudo nesse Carnaroseira Viuva , Noiva,Mulher Gato, Mulher Maravilha, Frida Khalo, Enfermeiro, Comunistas, Moana, Bruxa, Marinheiro, Sereia, Vedetes, Batman… a fantasia realmente correu solta.

Mais parceiros de Barão Geraldo os blocos Cupinzeiro e União Altaneira se apresentaram no comecinho da noite e desfilaram pelo nosso quintal com suas baterias e a força da juventude:

E para encerrar Aureluce Santos nossa querida Dama do Samba de Campinas com sua voz inconfundível.

O Carnaroseira é assim simplicidade, respeito aos mais velhos e aos mais novos, respeito a diversidade, alegria e muita folia.

Agradecemos imensamente o carinho, parceria, entrega, amizade, alegria…amor e até 2019!

(fotos: registro colaborativo Comunidade Jongo Dito Ribeiro)

4º Encontro da Juventude de Terreiro RMC de Janeiro discutiu Combate a Intolerância Religiosa e Patrimônio nos Terreiros

O Encontro Anual da Juventude de Terreiro é um evento que está na quarta edição. É a maior ação realizada por nós, Coletivo de Jovens de Terreiro RMC, e teve como tema este ano o Combate a Intolerância Religiosa.

Nele reunimos jovens de diferentes cidades (acabamos extrapolando a região de Campinas) para conversamos sobre nossas vivências enquanto Povos Tradicionais de Matriz Africana. No encontro discutimos Patrimônio dos Terreiros, Políticas Públicas, Violências, Juventudes e Ancestralidade.

Em especial, este ano tivemos o número de jovens um tanto reduzido paralelo com os outros anos, porém, com isso, foi possível dialogar, vivenciar e trocar conhecimentos mas profundamente entre nós, nos sentimos realmente mais próximos.

Tivemos a oportunidade de receber a Doutora e Mestra Jongueira Alessandra Ribeiro, Mãe de Ibeji, Pai Okun Ololá, Mãe Edna Lourenço, entre todos os outros, que trouxeram seus saberes para compartilhar conosco, através de suas palestras e dinâmicas.

No primeiro dia fizemos, em parceria com a Mãe Ekedji Edna Lourenço, a abertura do Encontro com uma mesa sobre Intolerância Religiosa em que foi homenageado o Pai Ubiacylê, o qual foi um dos Sacerdotes mais velhos do município de Campinas e no fim do ano de 2016 fez sua passagem para o Orun. Na mesa tivemos também a presença de um Sheiki do Egito que também prestou suas homenagens ao Sacerdote.

No segundo dia, pela manhã, participamos da Oficina Patrimônio nos Terreiros com a Alessandra Ribeiro que nos fez entender que os nossos Terreiros são nossos Patrimônios e isso tem uma importância elevada para as nossas Comunidades Tradicionais de Matriz Africana. No período da tarde, trabalhamos em grupos sobre os vários espaços que sofremos Intolerância Religiosa e a partir da discussão cada grupo desenvolveu uma criação artística solucionando problemas apresentados. E a noite aconteceu a Macumbalada, espaço de descontração e diversão realizado por nós jovens ao som dos atabaques. Foi magnifica!!! Alcançamos desde os pontos tradicionais de Terreiro, Axé Baiano até as rimas de funk e rap da atualidade.

E no terceiro e último dia, pela manhã andamos pela Fazenda Roseira para contarmos um pouco a história dos Encontros passados e as marcas que cada encontro deixou no espaço: 1º Encontro – Plantio de um Baobá, 2º Encontro – A entrega da Casinha de Zumbi dos Palmares, 3º Ano – Uma telha pintada que ganhamos para decorar a Casa de Zumbi demarcando o 3º encontro. E para o 4º Encontro, qual seria a ideia? Aproveitamos nesta caminhada para fazermos também um Mutirão da Limpeza no entorno do Casarão. Tivemos também a presença de Pai Odecy, de Embú das Artes, contando um pouco sobre a árvore milenar que é o Baobá.

Na Plenária definimos então que o que demarcaria este encontro era uma camiseta da Juventude de Terreiro RMC com a assinatura de todos os Jovens presentes no Encontro. Além disso combinamos 02 datas: a do Mirongas e Batuques para o dia 20 de Maio de 2017 e o próximo Encontro de Juventude de Terreiro RMC para 19, 20 e 21 de Janeiro de 2018.

Encerramos o encontro com o Tradicional Almoço com os Pais e Mães de Santo que tiveram seus filhos presentes no encontro e sem seguida a apresentação dos trabalhos desenvolvidos na tarde de sábado sobre os diversos espaços e situações de Intolerância Religiosa.

Eventos como esses que são anuais mas que também mantém uma agenda de trabalho e aproximação durante o ano, são de extrema importância para que nós, jovens de Terreiro, nos fortaleçamos nas nossas Comunidades Tradicionais e na Luta contra a Intolerância Religiosa.

Veja mais fotos em:  https://www.flickr.com/photos/129926628@N03/albums/72157676252451024

Por Bianca Ribeiro e Vanessa Dias

E vamos para a última semana do VIII Sou África em Todos os Sentidos

O mês de Novembro acabou, mas o VIII Sou África em Todos os Sentidos não!!

Depois do momento especial de Reinauguração do Centro de Referência Jongueiras e Jongueiros do Sudeste e do Centro de Documentação Tia Edite Ribeiro Barbosa (Vejam as fotos em https://www.facebook.com/Comunidade-Jongo-Dito-Ribeiro-210733955783015/), vamos para a última semana do Sou África deste ano.

inauguracaocr

inauguracaocr2

inauguracaocr3

inauguracaocr4

Corre que ainda dá tempo de participar da nossa programação e como a exposição do Centro de Referência é permanente, você pode aproveitar e visitá-la e saber mais sobre Jongo, sobre outras comunidades do Jongo do Sudeste e Projetos e Ações do Jongo Dito Ribeiro.

Segue programação desta semana:

viii_sou_africa_05dez11

06 de dezembro (Terça feira)

10h Cosmovisão dos povos do tronco linguístico Banto e sua relação com a tecnologia. Coord. Lucas César.

14h Quilombo construção de identidade e agricultura quilombola. Coord. Maíra da Silva

19h Assistência Social e as Matrizes Africanas – à confirmar

07 de dezembro (Quarta-feira)

10h Racismo ambiental e impactos urbanos – Coord. Lucas César e Maíra Silva

14h Avaliação das parcerias (2014-2016) e novas estratégias (2017-2018) Coord. Alessandra Ribeiro

08 de dezembro – NÃO ABRIREMOS nesse dia.

20h Evento do Pai Francisco na Casa de Cultura Tainã

09 de dezembro (Sexta-feira)

10h Estratégias para divulgação e acesso ao acervo do CR e Centro de Documentação Coord. Alessandra Ribeiro

14h Oficina Lab Afrohacker (coord. Flávia Machado e Vanessa Dias)

10 de dezembro – (Sábado)

10h Pisa na Tradição – Jardim Bassoli

18h Elesbão – TEATRO NA RUA – Praça Bento Quirino

11 de dezembro Casamento AFRO (Domingo)

É necessário se inscrever e adquirir convites para participar. Informações: alejongo@gmail.com

Vagas limitadas.

AXÉ!!

Reinauguração do Centro de Referência Jongueiras e Jongueiros do Sudeste – Comunidade Jongo Dito Ribeiro está no VIII Sou África nesta semana

E mais uma semana do VIII Sou África em Todos os Sentidos se inicia na Casa de Cultura Fazenda Roseira e a Comunidade Jongo Dito Ribeiro está nos últimos preparativos para a Reinauguração do Centro de Referência Jongueiras e Jongueiros do Sudeste – Comunidade Jongo Dito Ribeiro – Campinas/SP, no próxima dia 03 de Dezembro, a partir das 14h.

convite-cr

O Cento de Referência consiste em uma experiência concreta de ação de salvaguarda permanente no espaço do galpão, com acervos sobre as comunidades jongueiras, seus territórios e atuação e do Jongo do Sudeste como prática ancestral da cultura negra a partir dos olhares e percepções da Comunidade Jongo Dito Ribeiro – Campinas/sp. Estas ações foram possibilitadas por meio de um Edital do IPHAN em que a Comunidade, em parceria com o Ponto de Cultura NINA, foi contemplada com recurso para a execução das ações de Salvaguarda.

Vejam abaixo, as palavras de nossa Mestra Alessandra Ribeiro:

“Salve Famíliaaaaaaaaaaaaa CONVITE…CONVITE…CONVITE

Dia 03 de dezembro, às 14h esperamos TODAS E TODOS para mais uma vez agradecer pela PARCERIA, AMIZADE E CAMINHADA COMPARTILHADA.

Estaremos reinaugurando e LANÇANDO a REVISTA E DOCUMENTÁRIO do Centro de Referência JONGUEIRAS E JONGUEIROS DO SUDESTE COMUNIDADE JONGO DITO RIBEIRO CAMPINAS SP e o Centro de Documentação, Memória e Territórios “Edite Ribeiro Barboza”(in memorian).

Presenças confirmadas dos JONGUEIRAS DE : Guaratingueta (Quilombolas e Tamandaré), Piquete, São José dos Campos, Indaituba, Guaianazes, Cananéia, Embu das Artes, Lagoinha, São Luiz do Paraitinga, Cubatão, Taubaté.

Nossos parceiros do IPHAN -DPI, Secretaria do Estado de São Paulo, vários coletivos de CAMPINAS.

Contamos e aguardamos vocês.
Bora Jongar…

“É na roda de jongo que o MUNDO gira””

ale_convida_cr

Um dos trabalhos do Centro de Referência foi a realização de uma Caravana, a qual visitou todas as Comunidades de Jongo do estado de São Paulo, incluindo a CIMG_0364omunidade de Lagoinha e as memórias de Jongo de São Luiz do Paraitinga. Estas visitas foram registradas por meio de fotos, vídeos e textos, os quais comporão um video documentário e uma Revista que serão lançados também no dia da Reinauguração do Centro de Referência.

As jongueiras e jongueiros de Dito Ribeiro vem se preparando desde o mês de Agosto para esta atividade. Tanto o Casarão como o Galpão onde está1455074_1883885105171518_6303518253538817943_n o Centro de Referência foram reformados com recursos captados pela própria Comunidade em apresentações externas ou premiações como a da Categoria Territórios Culturais pelo Prêmio Governador do Estado de São Paulo no início deste ano de 2016.

Representantes das Comunidade Jongueiras do estado de São Paulo, Guaratinguetá, São José dos Campos, Piquete, Indaiatuba, Embú das Artes, Lagoinha, São Luiz do Paraitinga, Guaianazes, Cananéia, Cubatão, Taubaté estarão prestigiando o evento, assim como representantes do IPHAN-SP e do Poder Público Municipal de Campinas.

A programação será permeada por algumas mesas de apresentaçãosamba_de_lua_03dez16 do Projeto, Lançamento da Revista e Documentário do CR, apresentação de outros Projetos que envolvem documentação e acervo da Comunidade Jongo Dito Ribeiro, coquetel, roda de jongo e termina com o último Samba de Luá do ano.

Abaixo mais detalhes da programação do Dia 03 de Dezembro…

14h Mesa dos Parceiros: IPHAN, DPI, DAF, Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, Prefeitura Municipal de Campinas, Ponto de Cultura NINA e Comunidade Jongo Dito Ribeiro

15h Avanços e Desafios: Centro de Referência Jongueiros do Sudeste – Comunidade Jongo Dito Ribeiro Campinas SP

16h Lançamento da Revista, Documentários e Site Centro de Referência Jongueiros do sudeste – Comunidade Jongo Dito Ribeiro Campinas SP.

16h30 Inauguração do Centro de Documentação “Edite Ribeiro Barbosa” (in memorian)

17h Apresentação do Projeto Cartografia Social Comunidade Jongo Dito Ribeiro Campinas SP – parceria com a profa. Dra. Vera Lúcia – PUC Campinas

18h Coquetel de Encerramento e Roda de Jongo.

23h30 Comemoração do Dia do Samba – Samba de Luá – Último do Ano

Quer saber mais sobre o Centro de Referência Jongueiras e Jongueiros do Sudeste – Comunidade Jongo Dito Ribeiro – Campinas/SP é só acessar http://crjongoditoribeiro.org.br/

Até lá.

AXÉ!!