Arquivo da tag: mulheres

Pós Graduação Lato Sensu em Matriz Africana – INSCRIÇÕES ABERTAS

Pós Graduação Lato Sensu em Matriz Africana

pos

A primeira Pós-Graduação Lato Sensu em MATRIZ AFRICANA no Brasil propõe aos alunos a compreenderem criticamente a Matriz Africana como conceito amplo, que vai além do identitário e racial, cujo diversos aspectos encontram-se diluídos em nossa cultura a partir dos processos diaspóricos. E para quem perdeu a primeira turma, as Inscrições para a turma 2 já estão abertas! É só acessar o link: https://unividaeducacao.com.br/loja/inscricao-pos-graduacao-lato-sensu-matriz-africana/ Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com Bianca Lúcia (Equipe Técnica) 19 99494-4998 ou email afrobiancalucia@gmail.com ou COMUNICAÇÃO CEPIMA – matrizafricanacepima@gmail.com
Para Formandos da Graduação, Graduados e Pós Graduados.

PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM MATRIZ AFRICANA

PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM MATRIZ AFRICANA NA CASA DE CULTURA FAZENDA ROSEIRA

( R. Domingos Haddad, 1 – Residencial Parque da Fazenda, Campinas – SP, 13060-563)

A pós-graduação latu sensu em MATRIZ AFRICANA propõe os alunos a compreenderem criticamente a matriz africana como conceito amplo, que vai além do identitário e racial, cujo diversos aspectos encontram-se diluídos em nossa cultura a partir dos processos diaspóricos.

O curso pretende explorar os elementos que constituem a MATRIZ AFRICANA, que foram mantidos e preservados no território e na memória coletiva através de grupos diversos, marchas, cortejos, manifestações culturais, povos e comunidades tradicionais vinculados à essa matriz em espaços urbanos e rurais.

Espetáculo “Saias”

DIA 17/11 ÀS 18H NA CASA DE CULTURA FAZENDA ROSEIRA

( R. Domingos Haddad, 1 – Residencial Parque da Fazenda, Campinas – SP, 13060-563)

SAIAS

Saias trabalha com as danças populares brasileiras (orixás, coco de Alagoas, maracatu, afoxé, jongo, lundu colonial, samba-de-roda e ciranda) sob a ótica do feminino. As danças e ritmos da cultura popular são investigadas em cada manifestação, a figura da mulher do povo surge com força, dando, assim, mais sentido à preservação e propagação das nossas heranças afro-brasileiras e fortalecendo o poder do feminino na cultura brasileira a partir da beleza e da espontaneidade das danças populares.

O Saias foi concebido por meio das inspirações, das trocas de ideias e do poder e autoconhecimento que se criou a partir do universo das danças afro-brasileiras e das vivências em aulas e apresentações da bailarina e arte educadora Renata Oliveira. As músicas e poemas são composições autorais de Nil Sena, que também assina a direção artística do espetáculo.

No elenco do espetáculo estão Nil Sena, Renata Oliveira, Adnã Alves, Érica Vieira, Giane Carneiro, Jorge Rufino e Fabiano Nogueira. O projeto também oferecerá a oficina de dança Sambadas – Maracatu, Coco e Ciranda, com percussão ao vivo.

FICHA TÉCNICA:
Direção Artística: Nil Sena
Concepção Coreográfica: Renata de Oliveira
Concepção Musical: Fabiano Nogueira, Jorge Rufino e Nil Sena
Autoria músicas e poemas: Nil Sena
Percussão: Fabiano Nogueira e Jorge Rufino
Dançarinas: Renata de Oliveira, Adnã Alves, Érica Vieira e Giane Carneiro
Concepção Cenográfica: Elizeu da Cruz
Figurino: Elizeu da Cruz e N2P Confecções
Concepção iluminação: Wanessa Guimarães
Arte Gráfica: Adriana Frias
Fotografia: Andrea Prado (Melhor Imagem Fotografia), Fabiana Ribeiro e Vitor Damian
Som: Hocus Pocus
Filmagem e edição: Batuq Produções
Produção Executiva: Cristina Smidarle
Coordenação geral: Renata de Oliveira
Concepção do espetáculo: Renata de Oliveira e Nil Sena

10° SOU ÁFRICA EM TODOS OS SENTIDOS

10° SOU ÁFRICA EM TODOS OS SENTIDOS

 

45116614_2212467138777493_8029346196281622528_n

Há dez anos atrás estávamos frente a um desfecho que mudaria NOSSAS vidas.

Enfrentávamos com nossos carros bloqueando os caminhões que tentavam carregar as portas, janelas, materiais diversos… Enfrentávamos com nossas vozes o ataque que estávamos vivenciando sob ordem de um ex proprietário que achava ainda ter direito sobre o equipamento que já era público e que nós já estávamos de guardiões, à Fazenda Roseira.

E nós, com nossa luta, nossa coragem e nossa união garantimos a existência do Centro de Referência Comunidade Jongo Dito Ribeiro Campinas SP na Casa de Cultura Fazenda Roseira.

10 anos aqui.
10 anos de re-existência diária.
10 anos de semeadura para o futuro.
10 ANOS!

Agora, de novo, ainda e enquanto for permitido pela ancestralidade, CONTINUAREMOS!

VIVA…A VIDA.

Contribuição das Mulheres e a Feijoada das Marias do Jongo

Pelo 13° Ano consecutivo a Comunidade Jongo Dito Ribeiro comemora o aniversario das Marias do Jongo, tal festividade que tem como objetivo fundamental, evidenciar a contribuição dessas Mulheres, Negras e Filhas de Dito Ribeiro, para a Salvaguarda do Jongo através dos seus saberes culinários de ensinamentos e lições de vida. Por meio delas, realçar e homenagear todas as outras mulheres que contribuem não só para a Salvaguarda do Jongo quanto para toda sociedade em geral.

O que seria do mundo sem as Mulheres?


Mulheres como Edna Lourenço e Zeila, que anualmente passam a noite preparando a deliciosa feijoada que é servida durante o evento. Mulheres como as meninas do jongo que ajudam em toda produção e organização do evento, como também no apoio do preparo destes alimentos. Mulheres amigas e parceiras que nos auxiliam na venda dos convites, já que a feijoada consiste num evento beneficiente que anualmente acolhe 400 pessoas gratuitamente em tal festividade. Mulheres fotografas e do áudio visual, que registram todos os processos, para que possamos sempre ter essa memoria. Mulheres, Mulheres, Mulheres… que inclusive, deram a vida a todos os homens, nossos parceiros e que fazem parte da nossa trajetória, historia e processo permanente pela busca de direitos e igualdade de gênero, como DJ Barata, que abrilhantou nossa festa com sua nostalgia e sons da antiguidade, Mulheres como Dona Ivani, que cedeu seu quintal na Lapa/SP para que jovens se reunissem e dessem origem ao Samba da Ivani que sacudiu o público cheio de energia boa e sorrisos para compartilhar, Mulheres como as mães do Grupo da Serrinha que colocou a juventude para pagodear e do SaciCriolo que finalizou a Feijoada das Marias do Jongo, com chave de Ouro.

Viva as Mulheres! Viva a 13° Feijoada das Marias do Jongo! Com seus símbolos, seus tambores e sua importante ação de resistência pela permanência das tradições culturais negras.

Fotos: Neander Heringer

Por Bianca Ribeiro e Alessandra Ribeiro